Salão Ouvidoria
english version

Lembrando os privilégios judiciais inerentes a terra coutada, liguemo-los a este espaço. Era aqui que, até finais do século XVIII, o Dom Abade de Tibães, sentado na cadeira abacial e ostentando a Vara do Ouvidor, atendia às reclamações dos habitantes do Couto, que insatisfeitos com as decisões do Juiz do Couto, a ele apelavam.
Construído entre 1683-1686 e reformulado em finais do século XVIII, quando é dada nova forma aos Aposentos do Abade Geral, apresenta ainda da imponência de outrora os grandes tabuões de pinho manso do chão e o belo teto de grandes caixotões de madeira de castanho entalhada com cachorros e florões policromados. Os azulejos setecentistas de inspiração Flamenga e o grande quadro de moldura entalhada e originalmente dourada, representando São Martinho. Faltam-lhe os "seis bancos de encosto grandes e inteiros que rodeavam a sala", o relógio de caixa pintada e os quadros das paredes.
Um dos direitos inerentes a ser terra coutada era o da prática da justiça cível e dos pequenos crimes. No couto de Tibães, esta esteve até 1790, data da extinção das ouvidorias privadas, a cargo de um juiz, escolhido pelo abade entre os dois eleitos pelos habitantes do couto, e de mais três elementos de governação. Ao abade, como ouvidor, recorriam os moradores em apelação. Eram recebidos na Ouvidoria.
Ao longo dos dois últimos séculos este salão foi recebendo outros usos e outras configurações. A última monástica decorreu entre 1801 e 1804 quando reformularam a escada e construíram uma grande Clarabóia toda envidraçada e pintada. Dos seus diversos tempos chegaram até nós os grandes tabuões de pinho manso; o tecto em madeira entalhada e pintada; os silhares de azulejos da 2ª metade do século XVII; o grande quadro a óleo sobre madeira de São Martinho; os retratos dos arcebispos de Braga, São Vítor e São Frutuoso, do confessor de Santo Inácio de Loiola, Frei João Chanones e as molduras das pinturas do rei suevo Teodomiro e de São Martinho de Dume. Dos seis bancos de encosto grandes e inteiros que rodeavam a sala e do relógio de caixa pintada, que deixou marcas na parede, só ficaram os registos.


Desenvolvido por Sistemas do Futuro
Ministério da Cultura IPPAR